• 03 SET 15
    • 0
    Endometriose. Nossas condutas. Nossas formas de abordagem.

    Endometriose. Nossas condutas. Nossas formas de abordagem.

    Endometriose. Nossas condutas. Nossas formas de abordagem.

     

    A Endometriose é a patologia feminina mais estudada, diagnosticada e tratada em nosso centro nos últimos trinta anos. Tal situação tem sido motivada devido atuarmos na investigação e tratamento da Infertilidade Feminina e da Dor Pélvica.

    Acredita-se que 6 milhões de mulheres brasileiras e de 150 a 200 milhões na população mundial sejam portadoras de Endometriose.

    Com a experiência adquirida e através da Observação Clínica e da Pesquisa Clínica, que constantemente realizamos, nos permitimos considerar:

    - Endometriose é a doença da mulher moderna.

    A mudança dos hábitos de vida, a maior exposição a agentes ambientais, o uso dos tampões vaginais, a primeira gravidez após os 30 anos, a primeira menstruação (menarca) ocorrendo cada vez mais precoce e o início do uso de anticoncepcionais orais (pílula) precocemente são fatores que possivelmente contribuem para um aumento na incidência desta patologia na era moderna.

    - A Endometriose é uma doença evolutiva.

    Quando não tratada e controlada, a Endometriose evolui ao longo da vida da mulher. Tal condição ocorre até o início do Climatério.

    - A Endometriose é a pior doença benigna feminina.

    Embora, até o momento, não existam boas evidências mostrando possível risco de malignização da Endometriose (com exceção da Endometriose Cística de Ovário), a Endometriose, por ser evolutiva, faz a mulher ter Dor ou Infertilidade. Ambos os quadros, influem diretamente na Qualidade de Vida Feminina.

    - A Endometriose é uma doença ainda sem cura. Porém, hoje, já conseguimos controlá-la.

    Como ainda não foi estabelecida a etiologia (causa) da Endometriose, até então, a ciência não tem um tratamento curativo. A condução terapêutica da Endometriose ainda está baseada em diminuir a dor e oportunizar a Gestação. Aliás, a gravidez ainda é o melhor tratamento para o controle da Endometriose.

    - Tratar a Endometriose bloqueando a menstruação, através do uso contínuo de pílulas anticoncepcionais, somente mantém a paciente sem dor.

    Não somos adeptos deste tipo de conduta. A terapia do bloqueio da menstruação está fundamentada em uma das teorias de causa da Endometriose, ou seja, a Menstruação Retrógrada, o que acontece na maioria das mulheres. Contudo, somente 15% das mulheres com Menstruação Retrógrada apresentam Endometriose. Por outro lado, existem boas evidências científicas de que esta conduta de bloqueio da menstruação aumenta a incidência de Endometriose Profunda, uma forma mais grave da Endometriose.

    - O tratamento mais efetivo para o controle da Endometriose é o cirúrgico.

    Todos os tratamentos objetivando curar a Endometriose através de medicamentos não apresentam uma resolutividade maior que 40%. Até quatro anos atrás, o tratamento cirúrgico através da Videolaparoscopia era feito através da cauterização dos focos de Endometriose visíveis na cavidade pélvica. Este era um tratamento paliativo, pois a destruição dos focos de Endometriose não era total, ou seja, era como destruir somente a ponta de um iceberg. Em muitos casos, a maior porção do nódulo endometriótico não era eliminada.

    Em 2010, nosso serviço começou a realizar a ablação total dos nódulos através da cirurgia videolaparoscópica, ressecando toda a área peritoneal e, muitas vezes, invadindo o retroperitônio, em um procedimento que chamamos de peritoniectomia parcial e localizada. Embora o tempo de experiência e seguimento ainda seja curto, estamos observando que os resultados e a resolutividade está bem mais animadora: 64% das pacientes operadas demonstram melhora ou cura da dor. No que tange à taxa de fecundação pós-cirurgia, nos casos em que a Endometriose era a causa da infertilidade, os resultados também têm sido neste percentual. Nossos resultados estão de acordo com outros serviços europeus que adotaram este tipo de procedimento.

     

    Dr. Carlos Isaia Filho

     

    Deixe um comentário →